DESAFIO CINETOSCÓPIO DO RAFA #26

Olá! Meu nome é Rafael e voltei para dar continuidade ao desafio cinetoscópio dos 30 filmes que estou fazendo aqui no blog da Mari. O tema de hoje é:

#26 – UM FILME MUDO

O cinema mudo é incrível! Existe muito preconceito com os filmes mudos e isso impede a maioria das pessoas de aproveitar um universo de sensações que só o cinema dessa fase pode proporcionar e mais do que isso, impede de conhecer verdadeiras obras-primas da sétima arte como Metropolis, Das Cabinet des Dr. Caligari, City Lights, The General, Faust – Eine Deutsche Volkssage e Bronenosets Potyomkin. É desse último que vou falar hoje.

Bronenosets Potyomkin, conhecido no Brasil como O Encouraçado Potemkin é um filme russo, de 1925, dirigido por Sergei M. Eisenstein.

Em 1905, na Rússia czarista, aconteceu um levante que pressagiou a Revolução de 1917. Tudo começou no navio de guerra Potemkin quando os marinheiros estavam cansados de serem maltratados, sendo que até carne estragada lhes era dada com o médico de bordo insistindo que ela era perfeitamente comestível. Alguns marinheiros se recusam em comer esta carne, então os oficiais do navio ordenam a execução deles. A tensão aumenta e, gradativamente, a situação sai cada vez mais do controle. Logo depois dos gatilhos serem apertados Vakulinchuk (Aleksandr Antonov), um marinheiro, grita para os soldados e pede para eles pensarem e decidirem se estão com os oficiais ou com os marinheiros. Os soldados hesitam e então abaixam suas armas. Louco de ódio, um oficial tenta agarrar um dos rifles e provoca uma revolta no navio, na qual o marinheiro é morto. Mas isto seria apenas o início de uma grande tragédia. (adorocinema.com)

O filme foi produzido como propaganda comunista (financiada pelo Estado Soviético) e isso faz com que muita gente torça o nariz para ele. Porém, reduzir esse filme à pura propaganda e desconsiderar a sua importância para o cinema é uma bobagem sem tamanho, praticamente uma heresia.

“Rafael, por que esse filme é tão importante?” Explico-lhe, jovem padawan. Eisenstein era, além de cineasta, um estudioso e teórico do cinema. Em O Encouraçado Potemkin, ele coloca em prática a Teoria da Montagem. O que é a montagem? Montagem é o ato de juntar as imagens captadas desordenadamente durante a rodagem de um filme, proporcionando uma narrativa coerente através da junção das cenas, relacionando-as com o que as antecede e sucede.

Segundo Eisenstein, a montagem seria o que daria sentido ao filme, mais do que isso, a montagem seria responsável por fazer com que o espectador tivesse os sentimentos esperados pelo diretor. Para ele, um plano A combinado com um outro plano B, geraria no espectador um resultado C, que é diferente da mera combinação dos dois planos e advém do resultado dos conflitos e atrações existentes na relação entre A e B. Entendeu? Se não entendeu, tudo bem. A intenção não é explicar a teoria dele. A intenção é mostrar que hoje parece óbvio que a montagem influencia os nossos sentimentos e que os filmes são feitos de determinada forma a fim de provocar certas sensações, e Eisenstein foi um dos primeiros a perceber isso. Aí a sua importância para o cinema. Aí a importância de O Encouraçado Potemkin para o cinema.

Escrito por:
Rafael Forcassin

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s