VI NO CINEMA: Hidden Figures de Theodore Melfi

Estrelas Além do Tempo ou Hidden Figures é um filme que te dá esperança e ao mesmo tempo tristeza.

A história de passa nos EUA, em 1960 onde negros tinham que lutar contra a segregação racial e os brancos queriam vencer os russos na corrida espacial. Cada um com sua luta não é mesmo?

Pra quem não sabe, segregação racial foi uma lei (sim senhores, era permitido por lei), onde pessoas de cor (sim, era esse o termo) e pessoas brancas tinham assentos, banheiros, enfim, lugares físicos e sociais específicos por causa da cor de sua pele.

*Para visualizar melhor isso você pode assistir filmes como “Histórias Cruzadas”, “Uma história americana”, “O mordomo da Casa Branca” e “Conduzindo Miss Daisy”.

Resultado de imagem para hidden figure

Katherine Johnson, Dorothy Vaughn e Mary Jackson eram mulheres, negras e inteligentíssimas que trabalhavam na NASA, como muitas outras, como “computadores”, seu trabalho era refazer os cálculos. A diferença dessas três é que elas queriam mais e lutaram para isso enfrentando preconceitos por ser negra e por ser mulher.

 

O filme é, como muitos outros, um pedido de desculpas declarado. A narrativa é engraçada e não foca tanto nos sentimentos negativos, muitas vezes, dá a impressão que as protagonistas passaram por tudo super bem e no finalzinho dá a impressão que a NASA reconheceu Katherine, Dorothy e Mary, mas não foi bem assim.

Essas mulheres ficaram esquecidas e mesmo após terem mostrado ser valor, continuaram lutando contra todos os tipos de preconceitos, só voltaram a ser lembradas quando Margot Lee Shetterly, lançou o livro “Hidden Figures: The Story of the African-American Women Who Helped Win the Space Race” em 2016, ficando em primeiro lugar na famosa lista de best seller do New York Times.

Resultado de imagem para estrelas além do tempo

Foi interessante assistir no cinema e ver a revolta das pessoas com coisas que realmente aconteceram! A segregação nos EUA causou marcas avassaladoras e ainda hoje persiste, mas cabe também a reflexão: no Brasil, um país de maioria negra, não há preconceitos declarados como ocorreu lá, porém vemos pelos redes sociais e por piadas maldosas que o preconceito está ainda enraizado.

O homem foi já foi à Lua, construi ônibus espaciais e tem conhecimentos sobre os mais diversos planetas, mas não consegue lidar com simples diferenças cotidianas.

Escrito por:
Mari Bomfim

Anúncios

VI NO CINEMA: MOANA – UM MAR DE AVENTURAS DE JOHN MUSKER E RON CLEMENTS

Resultado de imagem para moana

Para começar bem o ano, nada como ir no cinema e ver um filme incrível, lindo e motivador, não é mesmo? Logo no comecinho de janeiro, fui ver o tão esperado Moana, filme da Disney que veio aí pra quebrar paradigmas.

Os Estúdios Disney, muito esperto, vendo que o movimento feminista vem ganhando força novamente e voz, quis descolar alguns dólares fazendo um filme empoderador da forma correta, colocando uma protagonista feminista que realmente faz alguma coisa, e ainda por cima sai do biotipo europeu, levando a gente a conhecer uma outra cultura.

Resultado de imagem para moana

O que dizer desse filme? Me surpreendi logo no começo, as cores são diferentes e o ritmo do filme também, eu não tinha muita noção do que seria a história, e acabou me surpreendendo bastante o rumo que as coisas foram tendo.

Me lembrou muito de Mulan, um filme que eu amo, mas o mais incrível de tudo é que Moana não tem par romântico! Sim, assim como Elsa em Frozen, Moana também não tem, nem quer um príncipe encantado.

Resultado de imagem para moana grandma gif

As músicas são lindas, claro que nenhuma se compara com Let it go, mas mesmo assim, são empolgantes e ajudam na composição da história. Minhas partes favoritas foram todas que a vovó participou [quando a raia apareceu me emocionei, foi lindo!] e Moana aprendendo a navegar.

Bônus pro galo maluco que me arrancou muitas risadas!

Resultado de imagem para moana heihei gif

Sem dúvida foi ótimo estrear a temporada 2017 de “vi no cinema” com Moana!

Já viu o filme? Gostou do novo filme da Disney? Comente!

Escrito por:
Mari Bomfim

VI NO CINEMA: Animais Fantásticos e Onde Habitam de David Yates

No sábado eu fui assistir o filme mais aguardado por mim esse ano: Animais Fantásticos e Onde Habitam! Pra quem não acompanha o blog, eu explico: eu amo todos os livros e filmes de HP! Tenho muita admiração pelo universo incrível e fantástico de J.K. Rowling, então não tem como eu não ter gostado desse filme.

“O excêntrico magizoologista Newt Scamander (Eddie Redmayne) chega à cidade de Nova York com sua maleta, um objeto mágico onde ele carrega uma coleção de fantásticos animais do mundo da magia que coletou durante as suas viagens. Em meio a comunidade bruxa norte-america que teme muito mais a exposição aos trouxas do que os ingleses, Newt precisará usar suas habilidades e conhecimentos para capturar uma variedade de criaturas que acabam saindo da sua maleta.” (filmow.com)

Claro que essa primeira história não se compara ao primeiro filme do pequeno bruxo, mas isso não importa, o universo está ali, em cada cena, em cada objeto ou diálogo, tem a referência que se justifica pelo roteiro ser da autora dos sete livros. Não é um filme de ação, é um filme de magia e aventura, Newt é meio atrapalhado, mas tem um coração gigante e logo fica amigo de um trouxa ou no-maj, Jacob Kowalski, que sem dúvida é o melhor personagem do filme!

Related image

A maleta é incrível e poderia ser mais elaborada sim, mas os poucos animais que foram mostrados já fizeram meus olhos brilharem. O filme fala sobre amizade, fanatismo e tolerância, tudo o que o universo Potter já havia nos mostrado quando ainda éramos crianças ou adolescentes [não sei a idade de vocês].

Image result for animais fantásticos e onde habitam gif
*Pelúcio: melhor pessoa*

Assistir esse filme [que ok, pode ter deixado a desejar em alguns aspectos] no cinema, já adulta, de mãos dadas com o Rafa, me fez ver o quanto o tempo passou e o quanto eu mudei. Deu vontade de voltar ao tempo por um segundo e dizer para a Mari pré-adolescente que depois de tantos anos eu ainda ia manter vivo o mesmo brilho no olhar.

Escrito por:
Mari Bomfim

VI NO CINEMA: Doutor Estranho de Scott Derrickson

“Stephen Strange (Benedict Cumberbatch) leva uma vida bem sucedida como neurocirurgião. Sua vida muda completamente quando sofre um acidente de carro e fica com as mãos debilitadas. Devido a falhas da medicina tradicional, ele parte para um lugar inesperado em busca de cura e esperança, um misterioso enclave chamado Kamar-Taj, localizado em Katmandu. Lá descobre que o local não é apenas um centro medicinal, mas também a linha de frente contra forças malignas místicas que desejam destruir nossa realidade. Ele passa a treinar e adquire poderes mágicos, mas precisa decidir se vai voltar para sua vida comum ou defender o mundo.” (adorocinema.com)

Doutor Estranho : Poster
*poster do filme*

Esse final de semana fui assistir Dr. Estranho nos cinemas, eu realmente não sabia muito o que esperar, porque não tinha ideia sobre o que se tratava o filme, apenas sabia que era um filme de super herói e que tinha magia no meio. Gosto de super herói, gosto de magia, tinha tudo para ser incrível!

Doutor Estranho : Foto Mads Mikkelsen

Mas não foi! Apesar de ter atores incríveis, inclusive minha atriz favorita Rachel McAdams, efeitos bem legais, eu não fiquei encantada pela história, o protagonista não conseguiu me conquistar, não fiquei torcendo por ele, na verdade não teve muita coisa para torcer, em nenhum momento eu senti que ele estava em real perigo.

Doutor Estranho : Foto Benedict Cumberbatch, Rachel McAdams

Uma das partes que eu mais gosto em qualquer filme de herói é ele adquirindo poderes ou tentando lidar com ele, e em Doutor Estranho pareceu tão simples, teve uma parte que ele ficou tentando abrir o portal e não conseguiu, mas eu queria ver mais isso, mais interação entre ele e a Anciã, mais dele tentando e persistindo, mais dele adquirindo autoconhecimento.

Doutor Estranho : Foto Benedict Cumberbatch, Tilda Swinton

O filme também é bem engraçado o que deixa tudo mais leve. É um filme que entretém bem, diverte, mas como filme de ação, na minha opinião, ficou devendo.

Já assistiram o filme? Gostaram? Comente!

Escrito por:
Mari Bomfim

VI NO CINEMA: O Orfanato de Srta Peregrine para Crianças Peculiares de Tim Burton

Image result for orfanato da srta peregrine filme

“Quando seu querido avô deixa para Jake pistas sobre um mistério que se estende por diferentes mundos e tempos, ele encontra um lugar mágico conhecido como O Lar das Crianças Peculiares. Mas o mistério e o perigo se aprofundam quando ele começa a conhecer os moradores e aprende sobre seus poderes especiais… e seus poderosos inimigos.” (filmow.com)

Apesar de querer ter lido o livro antes de assistir ao filme, não consegui realizar este feito, e no feriado dessa semana, fui ver no cinema o novo filme do Tim Burton. Antes de tudo, quero dizer que eu gosto do Tim Burton, não entendo muito sobre direção e tal, mas amava seus filmes quando criança e adoro a atmosfera marcante dos filmes. Fazia muito tempo que não assistia algum filme novo do Tim Burton!

Image result for orfanato da srta peregrine filme

Sobre a história, novamente: não li o livro, vi muitas críticas falando que eles mudaram muita coisa da história e tal, mas o enredo é bom, a história em si é bem legal, acredito que sem dúvida o ar pitoresco de Tim Burton ajudou a compor bastante o filme. Porém, eu tinha a impressão que a história era um pouco mais sombria, e eu achei bem fraquinho essa história.

O avô, ídolo maior de Jake, morre e isso aparentemente não parece afetá-lo muito, ele só é levado para o psicólogo porque tecnicamente ele está vendo coisas, não porque está em sofrimento e tal [talvez seja a interpretação do protagonista que esteja fraca], quando ele descobre que é um peculiar [não é spoiler, isso é esperado na verdade] a vida dele não muda muito, Jake fica com uma cara blasé o tempo todo ~ gêmeo da Kristen Stwart.

Image result for orfanato da srta peregrine filme

Tinha alguns erros de continuidade também, e como disse no começo os vilões não eram nada assustadores, eram bem bobinhos e fáceis de enganar, mas Eva Green estava perfeita no filme e Terence Stamp também estava fantástico. Fiquei desapontada por ver que a parte da vibe pesadelo e monstros foram pouco usadas. Até mesmo coisas bem legais como: as peculiaridades, viver o mesmo dia o tempo todo, nunca envelhecer e poder entrar em várias fendas de vários tempos não foram bem trabalhadas.

[ISSO É SPOILER]

Até mesmo no final, quando Jake reencontra seu avô, e começaria sua jornada do herói, entrando em todas as fendas para chegar em 1943 e encontrar seu amor, algo que deveria ser super legal e cheia de aventuras, nem foi explorado! Fiquei um pouco decepcionada, mas acredito que o livro seja bem legal!

Alguém viu o filme e discorda? Já leram o livro? Comente!

Escrito por:
Mari Bomfim